ARQUIVOS

Encontros do FINDE

“Superávits, Dólares e Fundos: a Exportação de Capital como Imperativo Defensivo-ofensivo para o Desenvolvimento Chinês” – Fernando Amorim Teixeira (2018)

A China vem sendo objeto de estudo de especialistas em diferentes áreas nos últimos tempos. No âmbito da economia política internacional, no entanto, pouca atenção se dá à sua gestão dos superávits em moeda estrangeira como estratégia defensiva-ofensiva, como propõe esse artigo. Considera-se aqui que fundos de investimento externo com diferentes constituições e fins foram criados nos últimos anos para lidar com essa realidade, sendo estes produtos da estrutura sistêmica, do papel do dólar, dos déficits e superávits das contas externas e que, tais Fundos, dialogam com um ponto central da estratégia chinesa: seu controle cambial. Desta forma, propõe-se demonstrar que, para além dos instrumentos diretos de controle de câmbio, a China se utiliza de expedientes próprios para manter, reinvestir e reciclar o excesso de dólares oriundos de seus volumosos superávits.

Clique aqui para fazer download.

“Políticas monetárias não convencionais: o caso dos EUA” – Adriano Vilela Sampaio; Mauricio Andrade Weiss (2019)

O presente artigo tem por objetivo fazer uma análise teórica das políticas e instrumentos que compõem as chamadas políticas monetárias não convencionais (PMNC) e estudar o caso dos EUA, tanto no que se refere às medidas tomadas quanto à avaliação de alguns de seus impactos. Argumenta-se que, dadas as limitações da política monetária, sua eficácia deve ser avaliada pela capacidade em criar condições favoráveis à tomada de decisão dos agentes. Assim, a partir da análise das principais medidas adotadas e de indicadores selecionados, argumenta-se que o emprego de PMNC era necessário e que seus objetivos foram cumpridos, pois o Fed logrou estabilizar o sistema financeiro nos momentos de maior instabilidade e manter condições acomodatícias nos mercados, criando um ambiente propício à retomada econômica. Por fim, ao mesmo tempo em que se defende a importância do uso das PMNC para os EUA no período recente, reconhece-se seus limites como instrumento de retomada do dinamismo econômico.

Clique aqui para fazer download.

“El nuevo contexto financiero mundial: efectos y mecanismos de transmisión en la región.” – Estudio Económico de América Latina y el Caribe (2019)

En la segunda parte del Estudio Económico se analizan los cambios acaecidos en el sistema financiero internacional tras la crisis financiera mundial de 2007-2008. Los cambios observados responden —entre otras cosas— al impacto que tuvo dicha crisis en la estructura y el funcionamiento del sistema financiero mundial, así como a las políticas de expansión cuantitativa que se implementaron en los países desarrollados a fin de hacer frente a los efectos de la crisis en los sectores financiero y real de sus economías. Se argumenta que se han modificado los mecanismos de la intermediación financiera a nivel mundial, lo que da lugar a cambios en los mecanismos de transmisión de los impulsos financieros desde los países desarrollados a las economías en desarrollo, incluidas las de América Latina y el Caribe. A raíz de ello, los indicadores macroeconómicos tradicionales pueden resultar insuficientes para evaluar las posibles vulnerabilidades financieras externas a las cuales se ve expuesta la región. Por lo tanto, en este informe se propone reexaminar los indicadores de vulnerabilidad a través de la descomposición de los agregados en los distintos sectores económicos y el análisis combinado de los flujos y hojas de balance pertinentes. Corresponde asimismo incorporar la estructura de mercado con arreglo a la cual operan los distintos actores.

Clique aqui para fazer download.

“A financeirização no Brasil pós-estabilização monetária: inserção subordinada periférica e o papel/contributo do Estado nacional.” Pré-Projeto de Tese – Giordanno Nader (2019)

O capitalismo mundial revela, desde o último quarto do século XX, um modo particular de funcionamento marcado pelo predomínio das finanças especulativas na acumulação de capital e nas formas de apropriação de riqueza. A temática da financeirização é campo de intensa pesquisa no debate acadêmico, cujos aportes buscam identificar a natureza e os principais aspectos deste processo, bem como os consequentes impactos sobre a estrutura econômica, política e social. Neste sentido, um amplo e diversificado aparato teórico e empírico vem sendo desenvolvido, em sua maioria dedicado aos países pertencentes ao centro capitalista. Este fenômeno de exacerbação do capital financeiro, no entanto, também se evidencia na periferia. A crescente literatura relativa à financeirização dos mercados periféricos preconiza a necessidade de se analisar cada estrutura periférica a partir de suas conformações específicas locais, sejam elas históricas, institucionais, de poder, etc. Destaca-se, dentre essas especificidades, a forma na qual a economia em questão se insere no atual padrão internacional, quase sempre de modo subordinado. Com base nisso, o presente projeto de pesquisa propõe um estudo sobre o processo de acumulação financeira no Brasil, com ênfase para a relação historicamente construída entre o Estado nacional e os mercados financeiros internacionais, no intuito de traçar a efetiva contribuição estatal na consolidação do movimento estruturante global das finanças na economia doméstica nas últimas três décadas, particularmente: i) na condução dos processos de abertura da conta de capital, de desregulamentação financeiro-bancária e de privatizações de bancos e empresas estatais; ii) na adoção de um aparato macroinstitucional focado na estabilidade econômica e na valorização das finanças; iii) na regulação das “regras do jogo” e na regência de seu funcionamento, por parte do Banco Central do Brasil, seja na criação de novas práticas financeiras, seja na operacionalização da dívida pública e das reservas internacionais; iv) na incorporação das famílias média e baixa renda na lógica da financeirização, por intermédio de políticas inclusivas e sociais estreitamente vinculadas aos mercados financeiros.

Palavras-Chave: Dominância financeira, Capitalismo contemporâneo, Mercados financeiros globais, Financeirização dos mercados periféricos, Economia brasileira.

Clique aqui para fazer download.

“Financialising the State: Recent developments in fiscal and monetary policy” – Ewa Karwowski (2018)

Understanding the nature of state financialisation is crucial to ensure de-financialisation efforts are successful. Therefore, this article provides a structured overview of the emerging literature on financialisation and the state. We define financialisation of the state broadly as the changed relationship between the state, understood as sovereign with duties and accountable towards its citizens, and financial markets and practices, in ways that can diminish those duties and reduce accountability. We then argue that there are four ways in which financialisation works in and through public institutions and policies: adoption of financial logics, advancing financial innovation, embracing financial accumulation strategies and directly financialising the lives of their citizens. Organising our review around the two main policy fields of fiscal and monetary policy, four definitions of financialisation in the context of public policy and institutions emerge. When dealing with public expenditure on social provisions, financialisation most often refers to the transformation of public services into the basis for actively traded financial assets. In the context of public revenue, financialisation describes the process of creating and deepening secondary markets for public debt, with the state turning into a financial market player. Finally, in the realm of monetary policy, financial deregulation is perceived to have paved the way for financialisation, while inflation targeting and the encouragement, or outright pursuit, of market-based short-term liquidity management among financial institutions constitute financialised policies.

Key words: Financialisation, State, Social provision, Sovereign debt management, Financial liberalisation

Clique aqui para fazer download.

Clique aqui para fazer download.

“Theorizing Financialization” – Costas Lapavitsas (2011)

The crisis of 2007–9 has cast fresh light on the ascendancy of finance in recent years, a process that is often described as financialization. The concept of financialisation has emerged within Marxist political economy in an effort to relate booming finance to poorly performing production. Yet, there is no general agreement on what it means, as is shown in this article through a selective review of economic and sociological literature. The article puts forth an analysis of financialization that draws on classical Marxism while remaining mindful of the recent crisis. Financialization represents a systemic transformation of mature capitalist economies with three interrelated features. First, large corporations rely less on banks and have acquired financial capacities; second, banks have shifted their activities toward mediating in open financial markets and transacting with households; third, households have become increasingly involved in the operations of finance. The sources of capitalist profit have also changed accordingly.

Keywords: banking, financialization, heterodox economics, Marxism, rentiers

Clique aqui para fazer download.

Clique aqui para fazer download.

“Financialized Capitalism: Crisis and Financial Expropriation” – Costas Lapavitsas (2009)

The current crisis is one outcome of the fi nancialisation of contemporary capitalism. It arose in the USA because of the enormous expansion of mortgage-lending, including to the poorest layers of the working class. It became general because of the trading of debt by financial institutions. These phenomena are integral to financialization. During the last three decades, large enterprises have turned to open markets to obtain finance, forcing banks to seek alternative sources of profit. One avenue has been provision of financial services to individual workers. This trend has been facilitated by the retreat of public provision from housing, pensions, education, and so on. A further avenue has been to adopt investment-banking practices in open financial markets. The extraction of financial profits directly out of personal income constitutes financial expropriation. Combined with investment-banking, it has catalyzed the current gigantic crisis. More broadly, financialization has sustained the emergence of new layers of rentiers, defined primarily through their relation to the financial system rather than ownership of loanable capital. Finally, financialisation has posed important questions regarding finance-capital and imperialism.

Keywords: financialization, crisis, rentier, bank, financial expropriation

Clique aqui para fazer download.

Texto 1: “Finance-led Growth Regime no Brasil: estatuto teórico, evidências empíricas e consequências macroeconômicas” – Miguel Bruno et al. (2009)

A proposta dos autores é analisar o padrão de crescimento econômico do Brasil no período pós-liberalização, com destaque para o relacionamento entre finanças e acumulação de capital fixo produtivo. Entre os resultados encontrados, ressalta-se a existência do regime denominado finance-led growth – no período 2004-2008, sob condições estruturais e conjunturais de um processo de financeirização (financialization) muito específico. Inicia-se com um survey da literatura internacional sobre o tema. O objetivo é revelar a importância deste conceito para a compreensão dos problemas da economia brasileira atual. Em seguida, apresenta-se o primado histórico acerca das transformações estruturais que permitiram o desenvolvimento dos regimes financeiros. O estudo é concluído com a análise empírica para o caso brasileiro, com base em indicadores macroeconômicos selecionados.

Clique aqui para fazer download.

Texto 1: Clique aqui para fazer 

Texto 2: “Indicadores macroeconômicos de financeirização: metodologia de construção e aplicação ao caso do Brasil” – Miguel Bruno e Ricardo Caffé (2015)

O regime de crescimento econômico brasileiro tem sido adversamente condicionado pelos interesses da revalorização rentista dos capitais e, mais amplamente, pela lógica e natureza da acumulação financeira, atualmente potencializada em mercados globais. Não é surpreendente que um dos fatos estilizados dos últimos 20 anos no Brasil seja a permanência de taxas muito baixas e voláteis de crescimento do PIB, comparativamente aos demais países emergentes. Com base na definição e no estatuto teórico do conceito de financeirização, o presente artigo constrói indicadores para a avaliação desse fenômeno no âmbito macroeconômico. Entre outras características, a financeirização na economia brasileira destaca-se pela proeminência da renda de juros, constituindo-se em um padrão diverso do observado em economias avançadas.

Palavras-Chave: Regime de crescimento; financeirização; acumulação rentista; capital fixo produtivo; indicadores de financeirização

Clique aqui para fazer download.

Clique aqui para fazer o download.

“Subordinated Financial Integration and Financialisation in Emerging Capitalist Economies: The Brazilian Experience” – Annina Kaltenbrunner e Juan Pablo Painceira (2017)

This paper analyses the recent changes in financial practices and relations in emerging capitalist economies (ECEs) using the example of Brazil. It argues that in ECEs these financial transformations, akin to the financialisation phenomena observed in Core Capitalist Economies (CCEs), are fundamentally shaped by their subordinated integration into a financialised and structured world economy. To analyse this subordinated financialisation, the paper draws on the framework of international currency hierarchies. It shows by means of two specific processes how the existence of a hierarchic international monetary system has changed the financial behaviour of domestic economic agents, and with it the structure of the financial system. The first process highlights the phenomenon of reserve accumulation and the changing behaviour of domestic banks. The second points to ECEs’ sustained external vulnerability and its impact on the operations of Brazilian nonfinancial corporations. The paper also shows that not only were these financial transformations shaped by ECEs’ subordinated financial integration, but also that it was these financialisation tendencies themselves which contributed to cementing existing hierarchies and further deepened existing asymmetries between ECEs and CCEs.

KEYWORDS: Financialisation; financial
integration; emerging capitalist economies; Brazil; reserve accumulation; external vulnerability

Clique aqui para fazer download.

“Financialization: What It Is and Why It Matters” – Thomas I. Palley (2007)

Clique aqui para fazer download.

Clique aqui para fazer download.

Translate »